• Horário de atendimento – Segunda à Sexta das 9 às 18 horas
O que você está buscando?

Tag do Post: inovação

Os sete passos para novos hábitos que fazem a diferença na sua saúde

Mudança de hábito é sair da escravidão e entrar na LIBERDADE. É superação, é inovação! É uma jornada ao longo da vida.

É fundamental ajudar a discernir e identificar os males que acometem sua vida. Ao mesmo tempo, permitir ser conduzido para o que é certo e ser diligentes em “alimentar” os bons caminhos. É necessário sair da velha maneira para a nova maneira.

Ser gentil; pedir ajuda para desenvolver paz e paciência no processo.

Sabendo disso, como administrar o dia a dia para essa mudança?

RECONHECER que algo precisa ser corrigido. Pode ser um padrão de pensamento, fala ou atitude que não está alinhado com o bom caráter.

ADMITIR erros sem ficar dando desculpas ou até mesmo culpar outras pessoas. Em outras palavras, é sair da vitimização.

MUDAR DE DIREÇÃO: não deixar o medo, culpa ou vergonha atormentar e paralisar. É agir com consciência.

RENUNCIAR: é dizer “Não estou mais de acordo com isso! Eu não quero repetir o erro e não quero mais fazer parte disso.”

REMOVER: é jogar fora aquilo que o faz repetir a sentir-se mal.

RESISTIR: não permitir que o mal se repita.

CELEBRAR e RESTAURAR: é comemorar cada conquista. Alegrar-se e ajudar outras pessoas a superarem esse desafio. Sua conquista é muito importante para a conquista de outras pessoas e quando compartilha sua experiência, acaba se alegrando ainda mais.

Livro: Wright, Henry. (2009). A More Excellent Way. Whitaker House. pgs. 544

Inovar Naturalmente

Quando uma pessoa pensa em inovar na saúde, o que vem à mente?

Esse é um convite a fechar seus olhos, pensar e anotar as palavras que mais se destacam para você.

Muito provavelmente, você deve ter pensado em novas tecnologias, medicamentos, políticas públicas… produtos e serviços no setor da saúde. 

Tudo isso pode ajudar, mas… Você já parou para pensar na inovação da sua saúde? Inovar em harmonia com sua mente, alma e corpo?

Se você já pensou ou já pensa dessa maneira, está de parabéns!

Esse é o primeiro passo para vivenciar uma nova perspectiva de inovar na saúde: Inovar Naturalmente. Essa é a capacidade de reconhecer o que precisa ser administrado na sua saúde, sair da passividade, tomar responsabilidade, corrigir o caminho e andar de valor em valor. É facilitar mudança em você. É alimentar novos e expansivos padrões de observação, pensamento, atitude e comportamento. É ajustar livremente a aspiração coletiva. É participar ativamente e influenciar a sociedade com nova identidade, segurança e liberdade. É estar sempre aprendendo de maneira colaborativa.

Qual a evolução da área de inovação nos últimos 60 anos?

O campo da inovação cresceu consideravelmente nas últimas quatro décadas, o que levou ao surgimento de novas abordagens que precisam ser examinadas e consideradas.

De 1956 a 1970, as preocupações concentravam-se nas áreas de mensuração organizacional e mudança tecnológica, desenvolvimento econômico e tecnológico, adoção tecnológica e difusão da inovação.

De 1971 a 1985, novas preocupações são acrescentadas e que se estendem até os dias atuais, tais como gestão estratégica de inovação de produtos e transferência do conhecimento, inovação tecnológica industrial e políticas de inovação, comportamento organizacional, inovação industrial e processo de desenvolvimento de novos produtos, competitividade, competências essenciais e capacidades dinâmicas, design dominante, aprendizagem organizacional, modelos inovadores de P&D, propriedade intelectual, performance, democratização da inovação, inovação disruptiva e inovação social.

Acesse o artigo que traz evidências dos principais pilares que sustentam a estrutura do campo da inovação, como ele evoluiu ao longo dos anos e quais os rumos que conduzem às tendências futuras da área.

Rossetto, D.E., Bernardes, R.C., Borini, F.M. Gattaz, C.C. Structure and evolution of innovation research in the last 60 years: review and future trends in the field of business through the citations and co-citations analysis. Scientometrics 115, 1329–1363 (2018).

https://doi.org/10.1007/s11192-018-2709-7