• Horário de atendimento – Segunda à Sexta das 9 às 18 horas
  • Opening hours - Monday to Friday from 9 am to 6 pm
  • 營業時間-週一至週五上午9點至下午6點
pt

Blog

Simone-Saude-x-Comunicacao2-1024x683

Saúde x Comunicação

Profissionais de comunicação se colocam a frente da pandemia em busca da informação. Eles coletam os dados e procuram outras fontes para confirmá-las.

Isso acontece porque as pessoas estão conectadas e necessitam de atualização a cada minuto. Entretanto, pode-se afirmar que é uma faca de dois gumes quando analisado pela área de saúde.

Desde que surgiu a pandemia, que é uma situação nova para todos no mundo, os cientistas, médicos, pesquisadores estão unidos para encontrar uma solução para o caos na saúde pública.

Do outro lado, os profissionais de comunicação apreensivos para ter furos de reportagens e conquistar o que há de mais fidedigno para sobressair-se dos demais. Instala-se assim o colapso da comunicação e da saúde.

As pessoas já não confiam mais nos veículos e profissionais de comunicação, que tem autoridade de 4º poder. A busca incessante, sem checagem das informações, banaliza a imprensa e coloca a vida das pessoas em risco. É possível aguardar minutos para transmitir uma informação com mais credibilidade.

A verdade é que tudo se torna absurdamente caótico, mas sem a conscientização da sociedade e dos envolvidos.

Situação essa que seria engraçada se não fosse trágica.

Cabe a cada um pensar, analisar e entrar em campanha prol valores e princípios de cultura e costumes do bem em detrimento a grande evolução tecnológica que nos coloca a beira de momentos inescrupulosos e traz prejuízos a saúde mental.

A comunicação é fundamental, mas com responsabilidade para que não seja transformada em prejuízos.

O despertar do empreendedorismo cívico

Já ouviu falar sobre o empreendedorismo cívico? Empreendedor cívico? Sua importância em tempos onde os problemas e soluções são desconhecidos?

Ao longo da carreira de muitos que vem sobrevivendo e crescendo nesse novo tempo de pandemia e que atuam na área da saúde bem como em áreas correlatas, como pessoas de negócio, educadores, defensores visionários de novas tecnologias, do desenvolvimento econômico mundial e filantropos, observamos uma promoção de novas interações construtivas entre os mundos da academia, governo e negócios do setor privado e terceiro setor.

Fonte: Kidwell D.K., Zintgraff C., Pogue G.P. (2020) The STEM Technopolis Wheel: In Motion Through STEM Learning. In: Zintgraff C., Suh S., Kellison B., Resta P. (eds) STEM in the Technopolis: The Power of STEM Education in Regional Technology Policy. Springer, Cham. https://doi.org/10.1007/978-3-030-39851-4_4

Esses profissionais vem personificando essas interações como fundadores de instituições de investimento, lideranças em ensino, pesquisa e desenvolvimento, promotores de novas tecnologias e consultores de empreendedores e agências governamentais, comprometidos com uma ordem social esclarecida.

Aspectos de vida desses profissionais vem também sendo revelados, desde sua infância como filhos de imigrantes, por exemplo, até seu serviço militar em frentes de batalha durante a 2a Guerra Mundial, realizações em tecnologia, educação e negócios. Embora essas pessoas sejam mais conhecidas por darem os primeiros passos para impulsionar empreendimentos em áreas específicas (e.g. escolas) em direção à sua posição atual como instituições internacionalmente proeminente e por desempenharem um papel central na transformação econômica regional, também detalham a carreira, influência e filosofia desses profissionais em tecnologia.

Muitos deles vem incorporando o conceito de “empreendedorismo cívico”, que envolve uma fusão de perspicácia empresarial, um profundo compromisso com a responsabilidade social e uma liderança visionária para o desenvolvimento econômico de uma comunidade.

Inerente ao papel desses profissionais como empreendedor cívico está a definição mais ampla possível de “comunidade”, começando com a cidade e região de uma pessoa, mas crescendo para abranger o globo. São conhecidos como catalisadores de redes colaborativas que utilizam os recursos de negócios, governo e educação para trabalhar no sentido de definir e realizar os objetivos amplamente compartilhados de uma comunidade.

Fonte: Construir uma cidade ideal

Esse perfil vem despertando novas reflexões sobre a identidade com que todos atua nos âmbitos pessoal e profissional. Você reconhece o “empreendedor cívico” em você? E na sua rede de colaboradores profissionais? É tempo de mudança de estratégia na inovação e oportunidade de renovar a nossa diferença na sociedade.

Referências: Douglas Henton, John Melville, e Kimberly Walesh, Grassroots Leaders for a New Economy: How Civic Entrepreneurs Are Building Prosperous Communities (San Francisco: Jossey-Bass, 1997); Stephen Goldsmith, The Power of Social Innovation: How Civic Entrepreneurs Ignite Community Networks for Good (San Francisco: Jossey-Bass, 2010); e Tijs Creutzberg, “Governing a Knowledge Economy: Scalar, Civic, and Strategic Dimensions of Contemporary Economic Governance in North America” (PhD thesis, University of Toronto, 2006).

O poder da comunicação

Já imaginou sua vida sem televisão, telefone e internet?

Há aproximadamente 15 anos o mundo era invadido por tecnologia na área da comunicação. Ninguém imaginaria que seria tão rápido e eficaz, ainda mais para esse momento em que todos vivem.

Os celulares tomaram conta e a internet tornou tudo mais veloz. Esse advento não é especificamente para a área da comunicação como informação. Foi possível que as relações sociais fossem estreitadas e mais intensas.

Durante a pandemia a sociedade entendeu que a falta de comunicação traz ansiedade, tensão, nervosismo, haja vista o número crescente de pessoas internadas que não podiam ter contato com os demais membros da família e chegaram a ter depressão.

É fato que o coronavírus trouxe uma reflexão a respeito da vida, valores, conceitos e comunicação.

Todas as profissões tiveram que inovar e se reinventar para que conseguissem continuar suas atividades. Adaptações foram necessárias e vieram para ficar desde então.

Tanto na área empresarial quanto pessoal foi nítida a diferença da comunicação antes e pós pandemia, principalmente em relação a informação e impactos que ela causa na vida das pessoas.

Por isso, é importante ter a consciência de ver, ler e assistir reportagens que sejam de veículos e profissionais responsáveis, com credibilidade. Também ter cuidado com as famosas “Fake News” que causam grande prejuízo aos seres humanos.

A mesma informação pode ser vista de diferentes maneiras e é importante que você entenda que a comunicação pode mudar vidas, em alguns casos salvar e em outros matar.

A pandemia de COVID-19 no Brasil: o que está acontecendo na linha de frente

A pandemia de COVID-19 provou a resiliência de comunidades em todo o mundo, especialmente em países despreparados em termos de uma variedade de aspectos, como infraestrutura, tecnologia e educação. Uma das maiores economias no mundo, o Brasil como país emergente tem enfrentado este grande desafio. O número de mortes e os danos econômicos resultantes da pandemia são explicitamente merecedores da atenção do governo, indústria e academia.

Essa pandemia provou ao Brasil e ao mundo o quanto repercute uma falência no sistema de saúde –  não há gerenciamento de saúde perfeito quando se trata de uma doença que também pode afetar aqueles que não estão infectados por ele: a necessidade de confinamento e uma mudança de hábito levou à escassez de alimentos, desemprego e transtornos mentais. A velocidade, a forma de transmissão de informações e o advento das chamadas fake news têm aumentado os casos de estresse e ansiedade em relação à doença e suas consequências. O isolamento imposto pela doença já foi chamado de “o maior experimento psicológico de Van Hoof no mundo” (Lima, 2020) [1]).

Estima-se que o comprometimento psicológico gerado pelo COVID-19 esteja entre um terço e metade da população, se não receberem cuidados adequados. Obviamente, o número de pessoas afetado psicologicamente pela pandemia é maior do que o número de pessoas infectadas pelo próprio vírus.

Profissionais de saúde e áreas afins como motoristas, equipe de limpeza e administração hospitalar também são classificados como grupos de risco mental devido ao medo constante de infecção e morte.

Infelizmente, apesar de uma pandemia de medo e estresse gerado pelo coronavírus, ainda carece de números que possam avaliar grupos populacionais específicos. Algumas medidas foram tomadas a fim de minimizar ou tratar tais condições – algumas sociedades, como as Universidades de psicanálise, estabeleceram-se online grupos de serviço para servir a população em geral. O Ministério da Saúde do Brasil anunciou a criação do programa que oferece suporte com teleconsultas aos profissionais da linha de frente no combate à epidemia.

O conselho regional de enfermagem de São Paulo disponibilizou um chat para auxiliar e apoiar o processo mental dos profissionais de saúde. Tais ferramentas mostram-se úteis para minimizar os danos causados ​​aos profissionais de saúde que atuam na vanguarda nesta pandemia (Angelo et al., 2020 [2]; Duarte et al., 2020 [3]).

A pandemia também trouxe instabilidade política e polarização entre os partidos, discussões sobre tratamento e falta de respaldo científico: em pouco tempo, o Brasil fez duas trocas de ministros de Saúde com opiniões divergentes e estratégias de enfrentamento levando ao descontentamento da sociedade pela falta de clareza de informações sobre a pandemia e as perspectivas futuras (Angelo et al., 2020 [2]).

A mudança econômica gerada pela COVID-19 foi abrupta e trouxe números desanimadores. Atualmente as estimativas econômicas apontam, por exemplo, para uma queda do PIB em 2020 para 7,7%. Confirmando este número, será a pior recessão econômica da história do país. Atualmente, a desvalorização acumulada de a moeda brasileira é 45%. Em abril deste ano, o pedido de seguro-desemprego era de 39%.

O desemprego atinge uma taxa de 12,8% com um número catastrófico de 12 milhões de desempregados. Outro dado que fala a favor da recessão é a retração da produção industrial, que variou entre os estados, apresentando um valor total do país de 9,1% no mês de março.

Ainda não há dados para avaliar as mudanças ambientais geradas pela pandemia no Brasil, no entanto globalmente sabemos que apesar da redução discreta nas taxas de emissão de CO2, as empresas de petróleo buscam incentivos dos governos para manter sua produção a fim de minimizar os impactos econômicos e eles podem compensar negativamente as taxas de poluição uma vez reduzidas no início da pandemia (Revista Exame, 2020 [4]).

Apesar de todas as mudanças e impactos negativos causados ​​pela pandemia no Brasil, devemos considerar alguns impactos positivos na área da saúde, tais como: maior investimento em pesquisas clínicas, principalmente relacionadas ao desenvolvimento de vacinas, medicamentos e métodos diagnósticos, bem como o desenvolvimento de tecnologias em saúde como implantação da telemedicina em grande parte do país.

Ainda estamos muito longe de conseguir o controle da situação atual, mas esperamos que uma maior integração entre as diferentes esferas da sociedade, tanto do setor público quanto do privado, pode resultar em soluções que ajudem no enfrentamento de eventos de alto impacto como a pandemia.

Referências:

[1] Lima, Rossano Cabral. (2020). Distanciamento e isolamento sociais pela Covid-19 no Brasil:  impactos na saúde mental. Physis:  Revista de Saúde Coletiva, 30(2), e300214. Epub Julho 24, 2020. https://doi.org/10.1590/s0103-73312020300214

[2] Angelo, Jussara Rafael, Leandro, Bianca Borges da Silva & Perissé, André Reynaldo Santos. (2020). Fiocruz.2◦Boletim Epidemiológico da COVID-19 nas favelas. https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/

[3] Duarte, Miguel de Quadros, Santo, Manuela Almeida da Silva, Lima, Carolina Palmeiro, Giordani, Jaqueline  Portella,  &  Trentini,  Clarissa  Marceli.  (2020).  COVID-19  e  os  impactos  na  saúde  mental: uma amostra  do  Rio  Grande  do  Sul,  Brasil.  Ciência  &  Saúde  Coletiva,  25(9),  3401-3411.  Epub  Agosto 28, 2020. https://doi.org/10.1590/1413-81232020259.16472020

[4] REVISTA EXAME. (2020). 6 números mostram o dramático impacto do coronavírus na economia. Maio 16, 2020. Acesso:  Nov 10, 2020. Link:  https://exame.com/economia/6-numeros-mostram-o-dramatico-impacto-do-coronavirus-na-economia/

Leia o texto na íntegra: A. Isidoro Ferreira Prado, A. Karolina Barreto Berselli Marinho, C. Chaves Gattaz, W. Mendes-Da-Silva The COVID-19 pandemic in Brazil: what is happening on the front line. Transdisciplinary Journal of Engineering & Science online Vol. 12 (Short Letter), pp. 1-2, 2021. doi:  10.22545/2021/00146

Quando a vida voltará ao “normal”?

Infelizmente a pandemia pelo SARS-CoV-2 ainda está longe de terminar. O número de casos no Brasil vem aumentando progressivamente desde dezembro de 2020 em decorrência das baixas taxas de isolamento social.

A necessidade de retomada das atividades econômicas e o descuido por parte da sociedade em manter o isolamento social e voltar as atividades recreativas contribuiu muito para a ascendência do número de casos que chegou a 7.733.746 no dia 03 de janeiro de 2020 no Brasil. (consulta em 03/01/2021 https://covid.saude.gov.br/)

Até o momento, não existe um tratamento curativo para a doença que seja comprovado cientificamente. Pesquisas no mundo inteiro tem o objetivo de encontrar uma droga efetiva para as pessoas infectadas evitando hospitalizações e mortes. Ao mesmo tempo, medicamentos e testes para auxílio diagnóstico estão em progresso. Vacinas foram testadas e já estão disponíveis para a população em alguns países como Estados Unidos, Inglaterra, Canadá e Israel. Devido ao conhecimento prévio sobre todo o desenvolvimento de vacinas, novas tecnologias, investimento financeiro e científico foi possível a obtenção em tempo recorde de vacinas seguras e eficazes para prevenir a infecção pelo SARS-CoV-2.

O Brasil tem um dos maiores programas de imunizações públicos do mundo, o PNI (Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde). O programa é responsável por um grande sucesso na prevenção de doenças infectocontagiosas no país desde a década de 70.

Doenças como poliomielite, sarampo, coqueluche, tétano e febre amarela estiveram controladas por muito tempo evitando milhares de mortes em crianças, adultos e idosos.

Tal programa, conjuntamente com os estados, municípios e órgãos de apoio, será responsável por delinear a estratégia de vacinação contra a COVID-19 para os brasileiros desde a aquisição, distribuição, aplicação e coleta de dados no primeiro trimestre de 2021. Após a aprovação da ANVISA, a distribuição das vacinas será organizada e disponibilizada por grupos prioritários. Pessoas mais vulneráveis a evoluírem com doença grave e morte (idosos) e grupos mais expostos (profissionais de saúde) serão os primeiros a receberem a vacina. Espera-se que dentro de 12 meses
toda a população brasileira seja vacinada.

Os serviços privados de vacinação também poderão participar do processo de imunização dos brasileiros contra a COVID-19 após o estabelecimento de regras pelos órgãos regulatórios. https://www.gov.br/saude/ptbr/media/pdf/2020/dezembro/16/plano_vacinacao_versao_eletronica.pdf

Um outro questionamento frequente é: depois da vacinação, quando a vida voltará ao “normal”?

Mesmo após a vacinação medidas de controle como uso de máscaras, lavagem das mãos e algum grau de distanciamento social será necessário até que tenhamos dados seguros de que a doença estará controlada. O vírus continuará circulando entre nós, porém causará doença em um número bem menor de pessoas. Desse modo, o investimento em melhores testes diagnósticos e medicamentos ainda serão necessários.

A pandemia da COVID-19, além de todas os prejuízos óbvios para a sociedade, trouxe reflexões profundas sobre a importância do investimento na ciência e a necessidade de autonomia do país em desenvolver os seus próprios produtos. Mais importante do que conseguir importar vacinas para a população é garantir a capacidade nacional do desenvolvimento de imunizantes, medicamentos, insumos e métodos diagnósticos.

Ainda estamos longe de conseguir o controle da atual situação, mas esperamos que a maior integração entre as diversas áreas da sociedade, incluindo os setores públicos e privados, resultem em soluções que auxiliem no enfrentamento da pandemia.